11 December 2006

Os analfabetos em ciência

É bastante preocupante o nível de alfabetização científica no mundo inteiro, inclusive no Brasil. Apesar do progresso gerado pela ciência na vida cotidiana, a crescente onda de religiosidade e esoterismo mostra que não somos capazes de convencer o cidadão comum à abandonar superstições e crenças sem fundamento. O que mais espanta é que o nível de ignorância científica espalha-se na área acadêmica, principalmente em humanas. Se o relato deste blog estivesse se referindo a um professor de humanas da USP ou qualquer outra universidade brasileira, não me causaria admiração. No entanto, trata-se de um professor de Harvard!

3 comments:

Samuel said...

Calma Victor. A atual academia é formada por especialistas e não por enciclopedistas. Não me espanto em ver ignorância científica nas humanas. E não poucas vezes me sinto ignorante diante de conhecimentos de outras áreas que não física e matemática. Ser especialista é bom ou ruim? Não vem ao caso agora. Acho que devemos unir forças e não entrar em disputa com os professores de outras áreas para diminuir a ignorância em todos os níveis, "do cidadão comum".
O contexto do blog é uma entrevista em que um professor de humanas de Havard defende mudanças nos cursos de graduação. A frase que causou toda a polêmica foi: "não deveríamos perguntar a um expert em teoria de cordas qual a diferença entre impacto e fricção". Acho que sub-estimaram os conhecimentos de física do professor. Do ponto de vista de interações fundamentais, qual é a diferença?

Victor Rivelles said...

Caro Samuel,

Se voce não souber a diferença entre Fernando Pessoa e Guimarães Rosa será mal visto entre o pessoal de humanas... Agora a ignorância em exatas é perdoável...

Norberto Kawakami said...

Ignorância é ignorância em qualquer nível e área. O que aconteceu para que uma pessoa que seja considerada intelectual seja uma analfabeta em cultura científica?