22 May 2007

A ocupação da reitoria da USP e do IFUSP

Ontem um punhado de alunos do Instituto de Física da USP declarou greve. Durante a madrugada empilharam carteiras nos corredores onde existem salas de aula e também na entrada da ala central, o acesso principal dos estudantes. Com isso estavam tentando impedir as aulas de hoje numa atitude de autoritarismo que lembra a época da ditadura militar. Não respeitam a posição dos estudantes que não apoiam a greve, outra atitude completamente anti-democrática.

À tarde, uma professora e alguns alunos conseguiram entrar num auditório mas tiveram que trancar a porta para impedir a entrada de um bando de estudantes com bumbos e cornetas. Durante uma reunião com o diretor em exercício, que ocorria no mesmo horário, era possível ouvir o barulho fora do auditório e sentir a sala estremecer. Parecia que a universidade estava desmoronando ao nosso redor. E acho que é isso que está realmente acontecendo, em todos os sentidos.

A USP e o IFUSP foram tomados por um bando de alunos que não merecem o privilégio de estudar numa universidade pública. Destroem nosso valioso patrimônio usando uma violência injustificável. Não respeitam colegas, professores, ou qualquer ser humano que não compartilhe de suas opiniões radicais e anti-democráticas. Pior ainda, tentam destruir a base da própria universidade: a liberdade de expressão e a diversidade de opiniões.

UPDATE:Cobertura da Folha, da Folha, da Globo

4 comments:

Felipe said...

Prof. Rivelles, impedir acesso a salas de aula e até mesmo a todo o campus é prática corriqueira dos grevistas na UFPE. Em 2000 eu estava no segundo ano da minha graduação quando tivemos as salas de aula no ciclo básico invadidas por uma horda de alunos grevistas em pleno dia de prova. Tentaram impedir o acesso de colegas às salas de aula "na marra". Um professor chegou até a interferir quando impediram uma garota de passar segurando-a pelo braço. Esse pessoal só reconhece mesmo sos direitos deles, os outros que se danem.

Marina von Steinkirch said...

Prof. Rivelles, o que é mais absurdo é que esses bardeneiros não representam a voz dos estudantes de verdade do Ifusp. Não apenas eu, mas também meus colegas estamos chocados com esses acontecimentos "anti-democráticos" (para usar o vocabulário deles). Nunca vimos nenhum deles participando de alguma atividade acadêmica, como frequentar aulas, por exemplo. Muito triste.

Norberto Kawakami said...

então quer dizer que não mudou nada desde os anos 80?
Isto já era assim quando eu estudava aí...
Nestes movimentos quem sempre tem a perder são os alunos que levam o curso a sério.

Everton Zanella Alvarenga said...

Fiquei muito feliz em saber que a razão venceu!

Greve na Física: Piquetes, Barricadas e a Vitória da Razão

E o principal motivo para essa minoria de alunos fazerem o que quiserem é simples: não há punição,.

Em todos colégios que estudei, tanto particular, quanto público, todas atitudes que desrespeitavam o bom convívio em sociedade eram punidos com advertências ou suspensões, podendo, em casos extremos, ocorrer até a expulsão.

Por que não ocorre o mesmo dentro da USP?