01 April 2006

Preces e homeopatia funcionam?

Um estudo sobre o efeito das preces na recuperação de pacientes cardíacos que sofreram cirurgia foi divulgado ontem no New York Times (não é necessário ser assinante) e traduzido hoje pela Folha (é necessário ser assinante). Como esperado, as preces não fazem diferença alguma. Bem diferente do que foi divulgado pela Globo num programa que foi ao ar em fevereiro deste ano, se não me engano. O curioso é que a pesquisa foi feita pela Templeton Foundation, uma instituição que defende o design inteligente. Parece que desta vez o tiro saiu pela culatra pois o resultado não era o esperado.

Esse resultado é muito importante. Ele mostra como todos devem proceder quando alguém tenta nos convencer de que algo extraordinário é real. Temos que pedir provas de que realmente existe! Se as preces ajudam pessoas doentes, então devemos reuni-los, orar por alguns e depois comparar a recuperação daqueles que receberam as preces com aquele que não as receberam. Como foi feito no estudo. É assim que a ciência procede. E é graças a esse procedimento que nossa qualidade de vida está sempre melhorando. Não se deixe enganar.

É muito comum encontrar a midia divulgando fatos fictícios como se fossem verdadeiros. Pegue a homeopatia como exemplo. Vários programas de televisão divulgam os milagres da homeopatia mas escondem o fato de que no início dos anos 90 um hospital homeopático de Londres fez um estudo controlado para verificar a sua eficiência. Pacientes com enxaqueca foram divididos em dois grupos, um tomava o remédio homeopático e o outro tomava um placebo. Os pacientes sabiam que estavam participando do estudo mas não sabiam se tomavam o remédio homeopático ou o placebo. O resultado é que o mesmo número de pacientes se recuperaram nos dois grupos. O remédio homeopático tem o mesmo efeito do placebo! É assim que os grandes laboratórios fazem para saber se um remédio novo é eficaz ou não. E é assim que deve ser feito sempre.

Entretanto, é muito difícil nos dias de hoje, quando somos bombardeados por informações de todos os lados, saber distinguir aquilo que foi verificado daquilo que nunca foi testado. Ou distinguir explicações científicas das pseudo-científicas. Lembre-se que muita gente desonesta usa termos técnicos para dar um ar de credibilidade ao que fala. Existe um livro muito bom de C. Sagan, O Mundo Assombrado pelos Demônios, que fornece dicas muito boas para que voce não seja enganado. Na internet existem dois sites que conheço, Junk Science e Whats's new, que alertam sobre as tentativas mais recentes de se usar a ciência de forma enganosa.

2 comments:

Krishnamurti said...

Por um bom tempo ainda serão feitos muitos estudos que darão tanto resultados positivos quanto negativos sobre a eficácia das preces, estes estudos não querem dizer nada. Uma boa comparação com as preces pode ser feita com uma torcida de um time de futebol, tipo a seleção brasileira que este ano na Alemanha estará milhares de quilômetros distante de sua torcida, e aí, esta torcida tão longe terá algum efeito sobre o resultado final dos jogos? Eu sinceramente não sei resposta.
Coisa muito interessante ainda acontece hoje em dia nas cidades interioranas do Nordeste, onde existem as figuras das rezadeiras, são senhoras normalmente muito devotas da religião católica a quem se atribuem certo poder de cura através da reza, esse tipo de auxílio ainda é procurado pelas pessoas, principalmente na zona rural, e já que elas continuam existindo quer dizer que, por coincidência ou não, devem ter seus méritos, nem que sejam psicológicos. Não podemos nos esquecer de muitas outras coisas semelhantes, tipo macumba, despachos, promessas, etc. Não estou afirmando que esse tipo coisa tenha realmente alguma eficácia, mas muitas pessoas por aí atribuem terem sido curadas ou contraírem algum mal através de tais procedimentos, e isso pode ser nada mais nada menos do auto-sugestão.
O que ninguém tem dúvida é que depressão mata e pode gerar outras doenças, que estresse causa gastrite, úlcera, etc., e já que tais distúrbios psicológicos podem afetar tão bruscamente a fisiologia por que situações psicologicamente propicias não poderiam trazer benefícios ao corpo? Sabe-se lá.
Só teremos respostas consistentes para questões desse tipo quando entendermos como o cérebro realmente funciona, e as únicas respostas que temos até o momento são meramente qualitativas. E elucubrando mais um pouco, Mário Schenberg, no seu livro “Pensando a Física”, dá margem à existência de possíveis interações entre matéria e energia as quais poderíamos estar bem longe de detectar, e ele não se referia ao quantum de gravidade. Obviamente que estas supostas interações não seriam do tipo “dragão na garagem”, pois se alguém chega a detectá-la (ver o dragão na garagem*), todos que tentarem por meios científicos conseguiriam detetá-las (ver o dragão na garagem*) também.
O mesmo grau de incerteza se aplica à homeopatia, acupuntura, fitoterapia, etc., que apesar de consideradas duvidosas têm o mérito de encarar os seres humanos (e até mesmo os animais) holisticamente, além de que serem bem menos agressivas que os remédios produzidos pelos grandes laboratórios, estes mesmos que há algum tempo estão tornando a humanidade dependente de suas drogas em troca de uma ilusória melhoria na qualidade de vida. Sinceramente não há nada mais eficaz, para aqueles que ainda ficam gripados, que um bom chá de limão com alho, principalmente se o alho e o limão forem colhidos no quintal de casa, isso sim é qualidade de vida.
Não acredito em nenhuma das coisas “sobrenaturais” que citei acima, mas acho que não podemos tirar conclusões precipitadas sobre tais assuntos porque, além de fazerem parte da cultura dos mais diversos povos, são normalmente tratados por estudos precipitados e que não foram realizados em escala mundial e muito menos reproduzidos, principalmente quando vemos no dia-a-dia que a própria ciência (que salva vidas a granel e mata no atacado) tem graves problemas éticos, que o diga o geneticista sul-coreano que publicou na Science um trabalho fraudulento sobre a clonagem de embriões humanos.

* passagem de “O mundo assombrado pelos demônios”.

Victor Rivelles said...

Caro Krishna,

Por um bom tempo ainda serão feitos muitos estudos que darão tanto resultados positivos quanto negativos sobre a eficácia das preces, estes estudos não querem dizer nada.

Voce esta enganado. Sao estudos como este que ajudam a acabar com a ignorancia humana e melhorar o padrao de vida de todos.

Victor